Frequências que permeiam nosso Universo, trazendo informações valiosas sobre a Cura Reconectiva e a Reconexão. Luz e Informação!

Posts marcados ‘nossas vidas’

A MALHA PLANETÁRIA E O SER HUMANO

Quando se compreender a Terra como uma harmônica cristalina receptora e
 transmissora e uma faceta a ressoar na harmônica cristalina solar, uma nota na oitava solar, então precisaremos de uma ciência que propicie programação e unificação para nos orientarmos nesta totalidade de Malha. 

A ciência exata da astrologia é o Guia do Espectador contendo a programação diária da Malha. As Efemérides são o Guia da TV da Malha. A que programas assistiremos enquanto o mundo gira? De que novelas sentimentais participaremos quando nosso Rei Sol nos ligar a Seu melodrama diário?

A astrologia cosmica calibra milimetricamente os ciclos horários, diários, semanais, mensais, anuais dos planetas — os movimentos de nossa orquestra. Através de um olhar astrologicamente afinado, que nada mais é que desenvolver o aspecto interpretativo da astronomia, podemos entender nossas vidas, nosso mundo, nossas emoções, nossos movimentos, nossas razões, hábitos, dificuldades e exaltações, de acordo com esta “teia de cruel necessidade,” esta dança de energia elementar rodopiante de nossa psique humana/solar entrelaçada.

A Malha Cristalina Poliédrica é como o chip mestre cristalino que recebe, por meio de suas 120 placas receptoras triangulares lisas, a miríade de canalizações, porém matematicamente racionais e orquestradas, de energia/consciência/Som de nossos disc-jóqueis biopsíquicos. Dessa forma, as Efemérides, com suas tabelas concretas de números e graus, quando corretamente aplicadas, representam o livro de códigos do Engenheiro de Malha que lhe permite prever, avaliar, corrigir, interpretar e transmutar estes elementos estáveis e determinantes recebidos da estação de rádio solar.

Podemos mudar o canal se quisermos, abaixar o volume, sintonizar a faixa de rádio específica. O Engenheiro de Malha tem potencial para transmutar (liberando a energia inerente, libertando-a de sua submissão à forma) as energias solares/celestiais por meio da interface inteligente com a Malha 1746 Eletromagnética, usando qualquer um dos 144 hologramas planetários da Távola Redonda, ou Zodíacos terrestre residentes na Terra.

Esta Malha, não podemos esquecer, é a Taça Alquímica Dourada de diferenciação eletromagnética, e o destilador potencial de nossa transfiguração, por meio da qual passaremos de humanos presas da gravidade a Humanos de Luz. Só porque o Rei Sol, nosso habitual disc-jóquei, toca suas melodias favoritas em sua estação de rádio, não significa que temos sempre de dançar nesse ritmo.

A introdução da realidade das aulas práticas sobre Zodíaco local leva-nos ao ponto crucial da possível interação entre o humano e a Malha. É aí que o Engenheiro de Malha e o Cavaleiro do Santo Graal se tornam um. Esta unificação na busca do Graal e no serviço à Malha é encenada no teatro geomítico local do Zodíaco da paisagem. Geomítico significa “o mito vivo da paisagem” e nosso envolvimento direto nesta simbologia terrestre por meio da interação de consciência intensificada dentro de um complexo de Zodíaco local.Nosso modelo conceitual de Zodíaco novamente opera como uma série interdependente de sistemas dimensionais homólogos e harmônicos, ou seja, Zodíacos dentro de Zodíacos. Começamos com a Távola Redonda Solar Mestra da eclíptica Terra/Sol por meio das doze Casas do Zodíaco — a cada ano, a cada 2.160 anos, a cada 25, 920 anos.

Aqui temos tanto o Rei Sol como o planeta Terra circundando o Castelo do Graal celestial de 12 portões como intrépidos e dedicados Cavaleiros do Graal. Este giro amplo, e essa busca, são transmitidos, de forma correspondente, à Terra, primeiro, por intermédio de Avebury, na função de painel de controle da Malha e maestro do concerto, o ponto mestre das 12 Linhas de Zodíaco Oroboros, e, em segundo lugar, por meio da vasta distribuição planetária dessas 12 Linhas de Dragão, dessa forma transformando em Távola Redonda tanto o Círculo de Avebury (condensado) como o todo planeta Terra (expandido).

Como um Cavaleiro do Graal sozinho voluntária e conscientemente experimenta essa imensa Távola Redonda planetária? E como o Engenheiro de Malha realiza ajustes inteligentes, compassivos e oportunos na teia geomântica desta vasta távola solar giratória situada na Terra? Por intermédio do holograma do Zodíaco local.

Neste modelo do Zodíaco, a sobreposição da Árvore da Vida da Cabala à imagem mítica da Távola Redonda/Zodíaco é muito esclarecedora. A Terra é uma das 12 esferas ressonantes, um dos 12 integrantes da Távola Redonda, uma das 12 Notas da oitava solar, da Árvore Solar da Vida. Dessa maneira, podemos imaginar estas relações em termos da Árvore ou da Távola Redonda, essencialmente intercambiáveis nesta explanação. Nosso Corpo do Sol é expresso na forma de uma Árvore da Vida de 12 esferas, com 12 Cavaleiros, ou 12 Notas; a Terra é Malkuth, a 10a Sephiroth, representando, adequadamente, a Terra; a 7a Sephiroth, Hod, por exemplo, representa Mercúrio).

A seguir, e de forma análoga, o Corpo da Terra é expressado como uma Árvore da Vida, e aqui o monte Shasta é Malkuth e o chakra da Raiz. A Árvore de Gaia apresenta 12 esferas que, em termos da Malha, são 12 Vórtices do Zodíaco, domínios de Zodíaco planetários principais que correspondem, segundo a lenda, aos acampamentos das 12 Tribos de Israel. Eles são setores geomânticos primários cada qual organizado formando um importante complexo de Zodíaco de 12 templos de sub-Zodíaco.

A unificação desses 12 Vórtices do Zodíaco é a Távola Redonda planetária, ou Árvore, apresentando toda a família de Jacó (que era Israel). A seguir, cada um desses 12 Vórtices do Zodíaco apresenta um subsistema de 12 Cúpulas de Zodíaco, num total de 144 templos de holograma do Zodíaco no planeta (embora nem todos estejam sempre disponíveis em determinado momento em razão das condições geológicas/meteorológicas variáveis). Cada um dos 12 subsistemas de Cúpula de Zodíaco consiste de uma Távola Redonda de Vórtice do Zodíaco das quais há 12 espalhadas pelo mundo.

A Távola Redonda Hiperbórea ocupa uma área aproximada que começa nas ilhas Orkney no norte da Escócia, passando pela Irlanda, País de Gales e Inglaterra, até Brittainy e sudoeste da França. Essa Távola Redonda do Zodíaco Cupulada inclui 12 sistemas de Zodíaco locais interdependentes. Cada qual apresenta um Logos de sistema de mito dominante, contudo, todos constelam principalmente ao redor do Rei Artur e do Graal. Um desses 12 Zodíacos locais, que goza de certa notoriedade, é a “Távola Redonda das Estrelas” de Glastonbury/Somerset, como é com freqüência chamado, ou mais poeticamente, Região das Estrelas de Verão (que inclui a famosa e mística Avalon). Cada Zodíaco local (que pode medir 16 quilômetros de diâmetro, 32-48 quilômetros de circunferência) apresenta uma imensa Cúpula de Zodíaco que o energiza.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: